Uma Marca Especial

5000 km

Hoje, após 18 meses de pedalada, ultrapassei a marca dos 5.000 km. Para quem, até então, era um sedentário de carteirinha, até que não está ruim!

Fui motivado a melhorar os meus números do colesterol e triglicerídeos e pensei que correr fosse uma boa alternativa, pois poderia em uma hora de corrida, queimar o suficiente. O problema foi que o meu joelho disse não. Consultando um ortopedista veio a constatação que uma das saídas seria operar. A outra era caminhar, nadar ou pedalar.

Como as duas primeiras não me agradam, comprar a bicicleta foi um pulo. Já há tempos queria comprar uma bike, mas sempre havia uma desculpa melhor e, agora, já não havia mais como enrolar. Decidido pela compra, escolhi um modelo mountain bike, daquelas que se compra em supermercado. Logo reencontrei um amigo que também estava pedalando e ensaiei as primeiras saídas. Curtas, é claro. Um sedentário nem pedalar consegue.

Logo mais, fiz amizade com um pessoal que saía para pedalar à noite e de vez em quando faziam algumas viagens de bike. Foi assim que o vício de pedalar tomou conta. Das vária subidas feitas empurrando a bicicleta, com o coração quase saltando boca a fora, para um bom condicionamento físico e um enorme aumento de resistência. Até do campeonato metropolitano eu participei!

Terminei o ano passado com 2255 km e até agora já rodei 2775 km faltando, ainda, 4 meses para acabar o ano. A próxima meta, distante ainda, é completar os 10.000 km.

Muita coisa mudou, de lá para cá. Já estou, praticamente, na 3ª bicicleta, tantas foram as peças trocadas. Na última, foi quadro, mesa, selim, canote e pneus. E ainda há mais por vir.

O melhor foi ter descoberto um esporte fantástico, com o qual me identifiquei, pelo qual fiz inúmeras novas amizades e até reencontrei velhos amigos.

Share