Toca da onça, ou a onça foi beber água…

Sábado de carnaval, caímos na folia. Explico, antes que algum mal entendido seja criado! Não gostamos de carnaval, então, nada melhor do que ir pedalar. Destino: São Luiz do Purunã. Parada: na toca da onça, é claro.

Os quatro pedaleiros.

Esta tal de toca da onça é um lugar no meio de um vale rodeado de floresta nativa, onde, diz a lenda, havia umas onças. Mas o local só ganhou o nome quando as onças foram mortas. Pode? Segundo este texto a toca da onça é uma caverna calcária. Outros textos fazem referência a morte de uma onça em 1981. A conferir.

A mata de São Luiz do Purunã.

O acesso é pela estrada da Faxina, alguns quilômetros após acessar a estrada do cimentão. Ali começa um bom sobe e desce e logo depois em uma entrada a direita começa a trilha para a toca da onça. Ali existem algumas casas e para chegar até elas tem uma subida muito íngreme, em alguns pontos com uma calçada cimentada, tal a inclinação. Continua subindo, andando agora em uma trilha de grama, cheia de minas terrestres, deixadas pelas vaquinhas que ali pastam. Descobrimos que uma outra trilha também leva ao São Luiz do Purunã, contornando o cânion, a conferir em outra oportunidade.

É só descer. A onça está lá embaixo!

A onça escolheu um belo lugar para morar!

Neste ponto, a catraca da roda livre, que já vinha dando sinal, resolveu abrir o bico. Para engatar, era necessário ficar pedalando no vazio, até engrenar. Nesta situação, achei melhor desistir, pois é muito inseguro continuar assim e deixar os colegas em apuros. Chamei o resgaste (obrigado, Patrícia!) e logo depois chegamos à rua principal de São Luiz do Purunã. A trinca, Luiz, Mildo e Pedro, seguiram até a pousada Caimã, para um almoço daqueles, já que o Mildo chamou o pedal de Pedal da Engorda.

Cansado, sujo, suado, mas muito feliz!

Enquanto esperava o resgate, encontrei o Adriano, grande amigo do Jacus de 2 rodas. Ele e mais dos amigos, refizeram o trajeto da 1ª Etapa do Campeonato Metropolitano de MTB. Mas em algum ponto pegaram a estrada errada e descobriram que o inferno é ali, bem pertinho! Conheceram a estrada do Serro, com aclives desumanos. Outra estrada a conferir mais tarde. (Adriano, se alguma informação estiver errada, deixe uma sugestão nos comentários).

A onça foi embora. A casa agora é delas!

Enfim chegou o resgate! Bicicleta presa no carro, fomos almoçar. O restaurante escolhido foi o Panela Velha, na Pousada do Parque.

Leia também o relato do Luiz: Toca da Onça. Mais fotos, aqui.

Share